segunda-feira, 29 de março de 2010

Empobrecer o espírito para enriquecer o bolso

Por Carlos Pompe*

Os meios de expressão da sensibilidade humana estão assaltados por temas místicos, religiosos e pelo irracionalismo. Para garantir a continuidade de seu domínio, a burguesia precisa revitalizar as crendices, fazer aumentar a procura pelo misticismo, incultar ou revitalizar a influência da religião no seio do povo. Ao mesmo tempo, aproveita a empreitada para aumentar sues lucros.

Recente artigo de Gabriel Priolli, “Assombrosa escalada dos espíritos”, aborda o novo ataque místico perpetrado através de novelas e filmes brasileiros contra a população. Cita a próxima produção da Globo, “Escrito nas Estrelas”; a que vem sendo repetida pela mesma emissora, “Alma Gêmea"; o filme, também produção globaliana, sobre Chico Xavier – aproveitando o centenário do nascimento do mineiro. Refere-se ainda ao filme “Bezerra de Menezes – O Diário de Um Espírito”, que conta a vida do cearense que, no final do século XIX, divulgou as crenças de Allan Kardec no Brasil. Priolli informa que um canal por assinatura vai exibir uma série sobre “mestres espíritas”. Essas obras não são uma abordagem analítica das trajetórias dos biografados, mas produção apologética dos seus ideários.

Os aparelhos de TV brasileiros também podem sintonizar emissoras dedicadas à divulgação de seitas, oferecendo curas e milagres. “Seja como for, entre espíritas, católicos e crentes, a religião se propaga por imagens e busca converter corações aflitos em fiéis telespectadores, contribuindo para a permanência do pensamento mágico tão arraigado na consciência popular e obstruindo o avanço da razão. Na contramão desse processo intenso de doutrinação midiática, não se verifica no Brasil ainda nenhum canal de TV ou web integralmente voltado à ciência e ao culto da racionalidade. Mesmo nas emissoras educativas, ainda é modesto o tempo dedicado aos conteúdos científicos e a produção nacional na área praticamente inexiste. Darwin perde de longe a batalha para Deus, na explicação sobre origem e destino de todas as coisas”, argumenta o articulista.

Ele considera que a mídia religiosa “não facilita a afirmação do pensamento crítico, questionador, investigativo, que forja a verdadeira consciência de si e do mundo, e fundamenta os direitos de cidadania. Elevar preces ao céu e cultivar fantasmas é direito democrático e constitucional, mas não constitui uma democracia mais forte. Até prova em contrário, é a ação solidária entre os homens, sem auxílio divino e neste mundo mesmo, que pode lográ-la”.

Priolli poupou seus leitores do registro da megaofensiva que também o cinema, a literatura, a música e as artes plásticas internacionais realizam na propagação da religiosidade, do misticismo e do irracionalismo. Emissoras de rádio e gravadoras se especializam em músicas de cunho sacro, produção que é transmitida também nas rádios não especializadas. Mesmo frequências destinadas somente a notícias embutem em sua programação “alternativas de vida” sempre embaladas no misticismo e inclusive avessas à ciência. As livrarias e telas de cinema de TV estão infestadas de vampiros. Mesmo ali, de onde o incauto menos espera, salta um espírito, um evento sobrenatural – no planeta Pandora, do filme “Avatar”, os ETs têm seus mantras siberianos e a “mãe-natureza” transpõe a alma de um humano para um Na'vi...

O irracionalismo é uma das tendências importantes da filosofia burguesa. Levado ao extremo, cria a atmosfera espiritual de uma fé cega que possibilita pastorear o rebanho de crentes pelas sendas mais obscuras e levá-los a cometer barbaridades inomináveis. Aliás, Lênin, no “Esquerdismo, doença infantil do comunismo”, já alertava que o idealismo filosófico e o misticismo servem “como disfarce de um estado de espírito contrarrevolucionário”.

Fraternos aos demais donos do capital, os que detêm o monopólio da mídia semeiam a desrazão e colhem a continuidade de seus domínios e de sua dominação. Garantem, a um tempo, o retorno lucrativo do capital investido e a mansidão da plebe explorada e ignara. Seguem o conselho dado por Mefistófeles, o diabólico personagem do “Fausto”, de Goethe:

Larga do ser humano a razão e a ciência,
São as forças mais altas que lhe dão potência!
Espíritos sutis te enleiam e te dominam
A um mundo de ilusões e cegueira te inclinam...

 Leia o artigo de Gabriel Priolli clicando no link
http://www.observatoriodaimprensa.com.br/artigos.asp?cod=582FDS012

* Jornalista e curioso do mundo



0 comentários:

Postar um comentário

Busca

Receba por email

Perfil

Minha foto
Ex-diretor da União Brasileira dos Estudantes Secundaristas (UBES) e ex-presidente da União da Juventude Socialista (UJS) de Alagoas. Atual militante e presidente do Comitê Municipal de Maceió do Partido Comunista do Brasil, PCdoB.
Tecnologia do Blogger.

Seguidores