terça-feira, 3 de fevereiro de 2009

Sarney, Temer e o novo cacife do PMDB


Dois expoentes peemedebistas se elegeram nesta segunda-feira (2) para as presidências da Câmara dos Deputados e do Senado Federal. O resultado monocromático aumenta consideravelmente o cacife da legenda fundada por Ulisses Guimarães.

Os números das votações reforçam esse capital. No Senado, José Sarney (AP) sagrou-se por 49 votos a 32, desmentindo avaliações de última hora de que a disputa se equilibrara com a adesão do PSDB à candidatura do petista Tião Viana (AC). Na Câmara, Michel Temer (SP), candidato de um ''acordão'' que afinal se cumpriu, teve 304 votos, 47 a mais que o mínimo necessário para exorcisar o fantasma do segundo turno.

Somando-se as posições ja ocupadas pelo PMDB na Esplanada dos Ministérios, em governos e legislativos estaduais e municipais, este resultado projeta um novo personagem de primeira grandeza na cena política nacional, ao lado dos pólos do governo e da oposição, inclusive para 2010.

O processo eleitoral confirmou o perfil de ''partido-ônibus'', repositório de alas e grupos heterogêneos. O PMDB-Câmara e o PMDB-Senado agiram cada qual por si. O saldo porém reforça o conjunto da sigla, que daqui por diante será ainda mais disputada. Na sucessão presidencial de 2010 ela tende a ter uma função determinante fiel da balança entre o campo do presidente Lula e o de seus opositores.

Por hipótese, o PMDB poderia até ambicionar um protagonismo ainda maior, caso viesse a reunir vontades políticas e coesão em grau suficiente para apresentar um candidato presidencial próprio. Mais provavelmente, ele permanecerá desempenhando o papel de grande partido de centro com poder de desempate – muitas vezes satirizado, mas na realidade um papel clássico na história das lutas políticas da sociedade humana de dois séculos e pouco para cá.

Os processos eleitorais tanto na Câmara como no Senado escaparam da lógica governo-oposição. A base do governo Lula apresentou-se divivida. E a oposição idem. A diferença é que a base dividiu-se ao disputar as presidências das duas Casas, enquanto a oposição fez as contas e contentou-se com outros cargos nas mesas diretoras.

No caso da Câmara, o ''Blocão'' viabilizou a vitória de Temer – que teve 118 votos a menos do que a soma das bancadas de suas 14 siglas. Ainda assim Ciro Nogueira (PPS-PI) obteve 129 votos graças aos laços que cultiva com um largo espectro de deputados. E Aldo Rebelo (PCdoB-SP) reuniu 76 votos, 27 a mais que o Bloco de Esquerda que lançou sua candidatura (PSB, PCdoB, PMN, PRB).

O Bloco de Esquerda vai continuar atuando dentro e fora da Câmara. Pretende realizar neste mês uma reunião para se reafirmar como um bloco político, reaproximar o PDT, construir um projeto conjunto para o pós-Lula e lançar seus candidatos nas eleições de 2010. Ao contrário de outros blocos que a vida política brasileira tem conhecido, ele não existe em função de uma escaramuça momentânea, mas de uma visão de Brasil que julga importante defender conjuntamente.

Fonte: www.vermelho.org.br

0 comentários:

Postar um comentário

Busca

Receba por email

Perfil

Minha foto
Ex-diretor da União Brasileira dos Estudantes Secundaristas (UBES) e ex-presidente da União da Juventude Socialista (UJS) de Alagoas. Atual militante e presidente do Comitê Municipal de Maceió do Partido Comunista do Brasil, PCdoB.
Tecnologia do Blogger.

Seguidores