terça-feira, 15 de junho de 2010

Em visita ao PCdoB, PC chinês debate o Brasil e a América Latina


Com uma visita à sede nacional do PCdoB, em São Paulo, seis dirigentes do Partido Comunista Chinês (PCCh) iniciaram, nesta segunda-feira (14), uma intensa agenda de atividades pelo Brasil. Chefiada por Sun Gan, secretário-executivo do Conselho de Trabalho dos Órgãos subordinados diretamente ao Comitê Central do PC, a delegação chinesa saudou o PCdoB como “partido amigo” e manifestou interesse em “reforçar os laços e os investimentos” entre as duas legendas. 

Sun Gan afirmou que os comunistas brasileiros têm uma “trajetória histórica muito respeitável” e demonstraram forças ao resistir a mais de 60 anos na clandestinidade. “O Partido Comunista Chinês valoriza o intercâmbio e a amizade tradicional com partidos como o PCdoB. 

Segundo o dirigente chinês, seu partido baseia sua atuação em cinco pilares: ideologia, organização, métodos de trabalho, política anticorrupção e construção do sistema partidário. Também compartilha de princípios resguardados pelo PCdoB, como a combinação de firmeza nos princípios revolucionários com flexibilidade no modo de perseguir os objetivos táticos e estratégicos, além do pressuposto de que não há modelo único de socialismo. 

“Cada país deve levar em conta suas peculiaridades e, ao mesmo tempo, estar sintonizada com os avanços do tempo histórico, de modo a não cair em dogmas”, declarou Sun Gan. Sobre a experiência chinesa, destacou o excepcional desempenho do país em 2009. “Apesar da crise econômica, o governo tomou medidas corretas, e a o nosso PIB cresceu 8,9%. Terminamos o ano com US$ 2,4 trilhões de reservas”, agregou o dirigente, agregando que o crescimento econômico da China volta-se, em primeiro lugar, à melhoria da vida do povo.

Informes sobre o PCdoB, o Brasil e a América Latina

Segundo o presidente nacional do PCdoB, Renato Rabelo, um dos principais temas da reunião entre os PCs foi a realidade política brasileira. “O PCCh se mostrou especialmente interessado em temas como o formato de uma disputa eleitoral no Brasil, o processo de escolha dos candidatos, as chances de vitória da pré-candidata Dilma Rousseff e a garantias de que os êxitos do governo Lula terão continuidade.” 


Segundo Renato, uma eventual derrota de Dilma “exprimiria um grande retrocesso” para o processo de integração latino-americana. “Sua eleição, ao contrário, traria mais perspectivas de ascenso democrático região”. O dirigente do PCdoB enumerou ao menos quatro trunfos de Dilma na corrida à sucessão do presidente Luiz Inácio Lula da Silva:  

1) a capacidade política de Dilma, que representa como poucos o sucesso do governo Lula;
2) o prestígio de Lula, cuja popularidade mantém níveis recordes após sete anos e meio como presidente; 
3) a ampla aliança em torno da pré-candidatura, que inclui PT, PMDB, PCdoB, PSB, PDT, entre outros partidos; 
4) o respaldo popular de Dilma, que conta com o apoio das principais lideranças sociais, estudantis e sindicais do Brasil. 

Ricardo Abreu, o Alemão, secretário de Relações Internacionais do PCdoB, destacou outros dois temas que sobressaíram nos debates: as possibilidades de maior cooperação dos Bric (grupo de países emergentes formado por Brasil, Rússia, Índia e China) e a conjuntura político-econômica na América do Sul e na América Latina. “Foi uma reunião, sobretudo, de atualização. O PC chinês aproveitou o convite do PCdoB para se reunir conosco e entender melhor os rumos tomados pelo Brasil no âmbito das relações internacionais.” 

Ao comentar a liderança alcançada pelo Brasil nas negociações com o Irã, o PCdoB sublinhou a ousadia e a correção da política externa do governo Lula, que, segundo Renato Rabelo, “pressupõe valores como a paz, o diálogo e a consolidação de um mundo multipolar”. Os dirigentes chineses responderam que “estão de pleno acordo” — e que a China “tem os mesmos objetivos”.

Construção partidária

Antes do encontro com Renato, os membros do PCCh participaram de uma exposição sobre a história, os princípios e a organização dos comunistas brasileiros. Intitulada “A Construção Partidária no Nível Atual das Exigências”, a exposição foi ministrada por Walter Sorrentino, secretário de Organização do PCdoB. 


“É uma grande honra manter essa boa relação entre duas grandes nações, dois povos e dois partidos. Temos um grande papel a jogar no mundo, e esse encontro eleva ainda mais os termos de nosso intercâmbio”, declarou Sorrentino. 

A delegação chinesa segue no Brasil até quarta-feira. Na agenda, há reuniões com o líder do PMDB na Câmara Federal, deputado Henrique Eduardo Alves, e os presidentes do Senado, José Sarney (PMDB) e do PT, José Eduardo Dutra. Os dirigentes chineses também devem participar de uma apresentação do Ipea sobre o Estado brasileiro, suas instituições e o serviço público, além de visita a uma fazenda de alta produtividade em Goiás.

De São Paulo,
André Cintra

0 comentários:

Postar um comentário

Busca

Receba por email

Perfil

Minha foto
Ex-diretor da União Brasileira dos Estudantes Secundaristas (UBES) e ex-presidente da União da Juventude Socialista (UJS) de Alagoas. Atual militante e presidente do Comitê Municipal de Maceió do Partido Comunista do Brasil, PCdoB.
Tecnologia do Blogger.

Seguidores